Surama Jurdi

Carregando...

Nesta loja virtual, quem faz as compras são os cachorros.

Nesta loja virtual, quem faz as compras são os cachorros

by Suram Jurdi
Nesta loja virtual, quem faz as compras são os cachorros

No e-commerce, um software analisa a reação dos cães para cada produto apresentado: caso o item seja aprovado, vai direto para o carrinho. A invenção é resultado de uma parceria entre a Petz

Nesta loja virtual, quem faz as compras são os cachorros

Agora é a vez do seu cachorro fazer compras sem sair de casa. Por meio de um sistema de inteligência artificial (IA), o petshop Petz, em parceria com a Ogilvy, criou uma plataforma que interpreta o nível de interesse dos cães a cada produto. O software foi alimentado com mais de 20 mil imagens de cachorros. A partir da análise dos dados disponíveis, consegue identificar se o seu pet gostou ou não de um brinquedo, por exemplo. Entre os sinais de interesse dados pelos bichinhos, estão a inclinação da cabeça, os movimentos das orelhas e a dilatação da pupila.

O software foi desenvolvido ao longo de seis meses por experts em machine learning e veterinários especializados no comportamento dos cachorros. Para uma boa análise, o cão deve ser posicionado na frente da câmera do computador, para que reconheça as expressões do pet. Se for identificado interesse por parte do cachorro, o produto é automaticamente colocado no carrinho de compras. A única tarefa do dono do pet é realizar o pagamento.


As pessoas estão mais conectadas, diz Sérgio Zimerman, presidente da Petz. Com a plataforma, elas podem compartilhar esse momento com seus cachorros e transformar essa experiência em algo mais divertido.


O desenvolvimento do software não foi o único desafio para aplicar a tecnologia. A apresentação dos produtos teve que ser adaptada para se tornar compatível com os cães. Os brinquedos são exibidos em vídeos, sempre com fundo amarelo e azul. Segundo Guilherme Moreira, diretor de criação associado da Ogilvy Brasil, os cachorros respondem a movimentos em vez de imagens estáticas, e enxergam melhor nesses tons de cores. A tecnologia não é nova, mas tivemos que adaptá-la ao novo público-alvo, afirma.Segundo Zimerman, uma plataforma de compras para cachorro é algo inédito no mundo. Por isso, o objetivo principal, nesse momento, não é atingir metas de vendas, mas continuar aprimorando o sistema e aumentar a oferta de produtos – atualmente 40 opções de brinquedos estão disponíveis com a tecnologia. Ele conta que o pet-commerce já se tornou a segunda página mais visitada do site da Petz. Queremos desenvolver essa tecnologia e melhorar a experiência do consumidor.


O próximo passo, segundo Moreira, será incorporar o pet-commerce ao aplicativo da Petz. Além disso, ele estuda a possibilidade de criar uma plataforma para gatos. Vamos ter que começar do zero, afirma. A forma como os gatos respondem a estímulos é diferente dos cachorros.

Confira abaixo como funciona o pet-commerce.


Fonte: Época Negócios

Autor: Érica Carnevalli